-

"A experiência medieval fazia com que o
homem se sentisse parte de uma ordem superior
que o amparava e constrangia ao mesmo
tempo. Por um lado, a perda desse sentimento
de comunhão com uma ordem superior traz
uma grande sensação de liberdade e a possibilidade
de uma abertura sem limites para o
mundo, mas, por outro, deixa o homem perdido
e inseguro: como escolher o que é certo e
errado sem um ponto seguro de apoio?"

(Psicologia: Uma nova introdução)

Recesso

Olá.

Como notaram (ou não, porque acho que ninguém vem mais aqui) não temos postado com frequência.
A faculdade está consumindo muito tempo e não consigo conciliar :/
Bom, tem Lorrane. Mas ela simplesmente abandonou u_u

Voltaremos assim que der com mais posts e prometo responder os comentários pendentes.

Orem por nós. Graça a paz.

Lutando sozinha contra a pornografia


"Quando o mundo inteiro lhe der as costas, Ele estará lá, porque Ele é, foi e sempre será. Ele ama você."

Tenho dezoito anos, uma personalidade independente e às vezes tímida. Cresci durante toda a minha vida na igreja; quando o recém formado grupo de louvor me chamou para tocar bateria, senti que finalmente havia encontrado meu lugar lá. Tudo parecia estar bem comigo, mas me sentia vazia.
Mais tarde, no ensino médio, meu vazio aumentou e com ele minha curiosidade de encontrar alguma coisa que me satisfizesse. A principio me voltei para coisas pequenas como roubar cigarros do meu detestável tio, mas isso não era suficientemente forte para preencher aquele vazio. Eu não iria desistir tão fácil. Eu sou a Jennifer, forte como aço e vou conseguir aquilo que eu quero! Como uma “nerd” da informática, consegui ter acesso a várias coisas que as pessoas normais não tinham nem idéia. Descobri o que queria. Consegui o que queria. PORNOGRAFIA!
Antes mesmo que percebesse, estava viciada. Essa doença não foi, na minha vida, um substituto para o sexo. Eu era, na verdade, e ainda sou virgem. Isso era algo apenas para me preencher. Quando estava triste, ou tinha tido um dia ruim, podia simplesmente ir até o meu quarto, fechar a porta e me sentir bem novamente. Era de graça, inofensivo, e ninguém ficava sabendo. Mas toda vez que estava na internet, aquilo que eu buscava para me satisfazer, já não me satisfazia mais. Como um viciado em drogas, procurando dia após dia por drogas mais fortes, eu procurava cada vez mais por fontes mais fortes de satisfação. Isso nunca tinha fim até que Deus entrou em cena.
Eu não sei exatamente quando, por que ou como (a não ser, através da intervenção necessária de Deus), mas, um dia, percebi como minha vida estava devastada. Meu pai fumava e tinha parado DE VEZ. Sem adesivos e sem diminuição, ele apenas parou. Então percebi que era isso o que precisava fazer. Eu percebi que Deus era a única maneira de curar meu vazio. Então, apaguei TUDO do meu computador. Todos os sites, os vídeos, as senhas, tudo aquilo que pudesse me conduzir de volta ao lugar onde me tornei uma pessoa horrível. Uma curiosidade ingênua rapidamente tinha se tornado um vício.
Logo depois fui a um retiro cristão. Estava empolgada, mas não esperava o impacto que isso teria em mim. Naquele fim de semana, dediquei minha vida novamente a Jesus Cristo, dizendo a Deus: “Eu quero viver totalmente e completamente para Ti. Eu quero ser uma nova criação (2 Co 5:17), transformada pelo amor que você tem me mostrado. Eu sei que cometi vários erros e até os meus acertos não são dignos de Ti (Isaias 64:6)”. Mas também sei que Deus nos salvou por Sua misericórdia, não pelas coisas que tínhamos feito (Tito 3:4-5). Então, daquele dia em diante, resolvi fazer um compromisso com Deus dizendo que aquilo que Ele pensa é mais importante do que o que eu e o mundo pensamos e tudo o que fizer agora será para Sua glória, coisas que Ele quiser que eu faça.
O amor que senti no retiro foi o que me fez superar. Eu sabia que Deus me amava… Mas tanto assim? Estava rodeada por pessoas que eu não conhecia e elas estavam orando, intercedendo e pedindo por mim, me dando conselhos e expressando o amor que sentiam por mim. Mas por que pessoas completamente desconhecidas estavam demonstrando amor por mim? A Bíblia diz: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (1 João 4:19). Eles me amavam por sentirem o amor que Deus tinha por eles. E agora que sinto o amor de Deus, quero dividi-lo também com o mundo! Além do amor, experimentei cantar musicas de adoração como nunca antes. Voltei aos meus velhos amigos cristãos e fiz novos amigos. Depois daquele fim de semana era visível a expressão de Jesus em meu rosto e em meus atos. Todos os dias, encontrava uma nova razão para louvar a Deus… Não havia um resquício sequer do vazio que eu sentia antes. Não havia mais raiva, solidão, tristeza ou medo. O Salmo 119:62 diz: “À meia-noite me levanto para dar-te graças pelas tuas justas ordenanças”.
É isso que eu sinto agora. Querendo levantar-me à meia-noite para louvar e adorar ao Senhor pelo que Ele fez por mim e pelos meus amigos. Você nunca é muito novo ou velho para mudar por causa do Senhor: “Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza” (1 Tm 4:12).
Hoje! Hoje, entregue-se total e completamente a Deus. Você não tem nada a perder e a vida eterna a ganhar. Paulo disse: “mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). Aceite essa oferta e corra, corra para Deus, porque você é e sempre será dEle. Quando o mundo inteiro lhe der as costas, Ele estará lá, porque Ele é, foi e sempre será. Ele ama você.

Fonte: Jennifer M. em Sua Escola.

Ponha os pés na bacia

Qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. (Mateus 10:32)


Não é fácil ver Jesus lavar estes pés.
Ver as mãos de Deus massageando os dedos dos pés dos homens não é certo. Eram os discípulos que deveriam lavar os pés de Jesus. Natanael deveria derramar a água. André deveria levar a toalha. Mas não o fizeram. Ninguém o faz. Em vez de servirem, eles discutem sobre qual deles é o maior (Lucas 22:24).
Enquanto disputam, Jesus se levanta. Tira sua túnica e tira da parede a capa do servo.  Pegando o jarro, ele derrama a água na bacia. Ajoelha-se diante deles com a bacia e uma esponja nas mãos e começa a lavar os pés. A toalha que cobre sua cintura é também a toalha que seca os pés deles.
Não é certo.
Não basta saber que estas mãos serão trespassadas pela manhã? A sujeira deve ser limpa nesta noite. E os discípulos... eles merecem ter os pés lavados?
Olhe em volta da mesa, Jesus. Dos doze, quantos irão ficar com você no pátio de Pilatos? Quantos irão compartilhar com você os açoites dos romanos? Quando você cair sob o peso da cruz, qual dos discípulos estará por perto, ao seu lado, para carregar seu fardo?
Nenhum deles.

Mas a limpeza não é apenas um gesto; é uma necessidade. Veja o que Jesus disse: "Se eu te não lavar, não tens parte comigo" (João 13:8).
Nunca estaremos limpos até confessarmos que estamos sujos. E nunca podermos lavar os pés daqueles que nos feriram até que deixemos Jesus, aquele a quem ferimos, lavar os nossos.


De 3:16, Max Lucado, pp. 159-160.

Homofobia: Se ódio é o problema, posso discordar em amor?



A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente “homofóbico” veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo “homofobia”, que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus. Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre “pecadores” e “não-pecadores”. A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias” (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence “do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.8). Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual; da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que “todos são iguais perante a lei”, “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença” e “estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Também nos opomos a qualquer força exterior – intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas – que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade. (...)


[Grifo meu]

 Via Plano B.