Círculo Vicioso - Machado de Assis

Bailando no ar, gemia inquieto vagalume:
“Quem me dera que eu fosse aquela loira estrela
Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

“Pudesse eu copiar-te o transparente lume,
Que, da grega coluna à gótica janela,
Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela”
Mas a lua, fitando o sol com azedume:

“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela
Claridade imortal, que toda a luz resume”!
Mas o sol, inclinando a rútila capela:

Pesa-me esta brilhante auréola de nume…
Enfara-me esta luz e desmedida umbela…
Por que não nasci eu um simples vagalume?”…


Esse é o meu soneto preferido. Sei quase de cor.

Por Thaísa Farias.

1 000000 de Pessoas Comentaram:

Srta. Bibliófila disse...

Muito legal!!! Estou tentando fazer um soneto perfeito... Lendo parece que foi tão fácil... Mas dá um trabalhão.
Abraço

Postar um comentário

Não poupe seu teclado, comente e seja feliz :D