Post do Parceiro

Editora: Porto 71
Páginas: 236


Sinopse: Até onde pode ir a paixão de uma pessoa por outra? Como, quando e por que começa? Até que ponto pode-se cometer alguma loucura para fazer parte da vida de alguém? Quais as consequências da paixão avassaladora incompreendida? Nesse seu primeiro e hilariante romance, Maurício Gomyde retrata o cotidiano de um cidadão normal como tantos que se vê por aí em qualquer canto, tentando responder estas aparentemente simples perguntas. Passeando com extrema facilidade tanto pela liguagem refinada e sutil quanto pela tosca, Maurício Gomyde nos brinda com um livro de leitura fácil e extremamente agradável.

Pela sinopse, O Mundo de Vidro promete ser um livro romântico e engraçado. Cumpre isso perfeitamente: o livro me fez rir (desde o prefácio) e suspirar (ainda antes do primeiro capítulo), não me decepcionei.
Ele é um músico frustrado, com um emprego nada empolgante, sedentário, teve poucos relacionamentos durante sua vida e esconde alguns talentos. Tem uma papagaia não muito amigável chamada Horácio, sobretudo é solitário.

Parte de trás

Ela é linda, inteligente, viajada, atlética, amante de livros, professora, jornalista, tem muitos amigos e está noiva.
Ele e Ela, em mundos diferentes. Os personagens principais não têm nome, mas isso não é nem um pouco necessário para conhecê-los.

Um dia na confusão para pegar o metrô, Ele não pega o vagão que costumava e espera o próximo. Lá encontra Ela. Uma forte impressão fica nEle: amor à primeira vista! Não que Ele achasse que tivesse alguma chance... Mas, dias depois e cheio de insegurança, tenta se aproximar e Eles têm um primeiro contado desastroso.

No marcador
de página

Contudo não desiste de entrar na vida dEla e se redimir. Seguindo-a, vê que participa de um curso de Economia (não que Ele soubesse de que se tratava no momento) e resolve se matricular. Acaba que Ele se torna aluno dEla num curso avançado do qual nada entende...
Enfim, dois mundos diferentes se tocam para formar um mundo só. O relacionamento dEles começa baseado em mentiras e incompreensões, porém vão se conhecendo melhor e quando estão juntos aflora-se o melhor de ambos.
A trama é mesmo concentrada em Ele e Ela, os personagens secundários não são tão importantes e alguns são caricatos.


Os personagens principais não terem nome não é a única peculiaridade; o livro, por exemplo, inicia com um “último capítulo”, entretanto isso não é problema, visto que não vamos entender nada daquilo... O livro termina com um momento similar ao que começa, embora com tudo diferente. Nada poderá ser a mesma coisa depois da criação do mundo de vidro, Ele e Ela já não são os mesmos.

Capa antiga

O Mundo de Vidro é por vezes absolutamente doce, em outras, tosco, e ainda possui uma linguagem assaz informal. Assim como Ele e Ela não veem o tempo passar quando estão juntos, não é possível ver o tempo passar enquanto lemos o livro, tão leve e divertido. Prova disso é que a segunda metade dele li de uma só vez.
A capa é bastante compatível com a história, mostrando Ele e Ela em fragmentos de mundos separados. Atrás, Eles fazem parte do mesmo mundo e pode-se notar que a posição em que estão denota uma reviravolta (no entanto, serão deveras os mesmos personagens?). Gostei bem mais dessa capa que da anterior. No marcador do livro encontramos o casal ainda de outra forma. Bastante criativo!
A diagramação e revisão estão boas, bem como a qualidade do papel (folhas amarela). Recomendo a leitura!

TRECHO


“Quis ter o maior dinheiro do mundo para enchê-la de presentes todos os dias e levá-las aos lugares mais bonitos que existem. Quis ser o cara mais inteligente do mundo, só para explicar a ela todas as coisas aparentemente sem explicação. Quis ser o mais forte do mundo, só para colocá-la no mais alto pedestal já construído. E o mais sensível de todos, só para dizer sempre o inesperado nos momentos mais inusitados de suas vidas. Por fim, quis ser o mais poderoso do mundo, só para tê-la perto quando bem entendesse. Mas sabia que não era o mais rico, nem o mais inteligente, nem o mais forte, sensível ou poderoso do mundo. De riqueza só poderia oferecer seu amor, de explicação somente o que sentia por ela, de força apenas carregá-la no seu coração, de sensibilidade somente enxergar além de seus olhos, e de poder, apenas tê-la dentro de si, como naquela hora.”
Págs. 184 e 185


E aí, gostou do livro? Pois o DeSaLiEnAnDo é um blog sobre leitura. Acompanhe as resenhas e se ligue nas dicas :)
Também tem promoções lá :D

1 000000 de Pessoas Comentaram:

Tarsila Rodrigues disse...

Caras, Thaísa, você pelo menos leu a resenha antes de postar, né?
Esse foi um dos melhores posts do SpaçAberto. ;)
=**

Postar um comentário

Não poupe seu teclado, comente e seja feliz :D